Imagem: Rapha Baggas / via Design Ativistas

Em 1979, o General João Baptista Figueiredo, o último presidente da ditadura militar que durou mais de 20 anos, assim respondeu a uma criança que perguntara o que faria se o seu seu pai recebesse um salário mínimo: “daria um tiro no coco”. O general, que presidiu o Brasil de 15 março de 1979 até 15 de março de 1985, era conhecido por suas tiradas estúpidas, como quando disse que “preferia o cheiro do cavalo ao cheiro do povo”.

Cabe registrar que, de 1964 até 1985, os presidentes do Brasil eram escolhidos por uma junta militar. O golpe de 1964 baixou um ato institucional sem número, em nome de um suposto poder “revolucionário” que prometia a realização de eleição para presidente do Brasil no ano seguinte. Em 1965, quando ocorreria nova eleição, a ditadura baixou o ato institucional nº 2, e foi assim que o ato anterior sem número passou a ser chamado de AI-1. Depois desses, foram baixados 17 atos institucionais, sendo que o último, editado em 14 de outubro de 1969, autorizava a junta militar a mandar para a reserva quem atentasse contra a coesão das forças armadas. Sua finalidade era conter a insatisfação contra a indicação de Emilio Garrastazu Médici, sanguinário presidente do regime militar.

Em 2019, 40 anos depois do coco do Figueiredo, o presidente Bolsonaro, o “capitão américa do Trump”, bem ao estilo daquele general, assim se manifestou acerca do desmatamento da Amazônia: “é só você fazer cocô dia sim, dia não, que melhora bastante a nossa vida”.

Será que Bolsonaro, protótipo de ditador, colocou acento circunflexo que faltou ao general da ditadura? As semelhanças entre os dois são muitas, mas a principal é que sempre cagaram para o Brasil. Figueiredo jamais enganou, nunca foi o paladino da abertura e da democracia, muito pelo contrário, em sua longa carreira, serviu ao Serviço Nacional de Informação – SNI – e ao Departamento de Ordem Político Social – DOPS -, ambos órgãos de torturas, assassinatos e desaparecimentos como políticas de Estado do regime militar. É importante registrar que seis mil militares contrários ao regime foram expulsos das forças armadas. E Bolsonaro nunca foi a “nova política”, nem inimigo da corrupção e muito menos alguém que respeita a democracia.

Da mesma forma que Figueiredo tentou blindar a ditadura de um fim melancólico, Bolsonaro ofende seus opositores para esconder sua máscara que já caiu. Na biopolítica brasileira, o estado de direito existe para as classes média e alta, enquanto sobra para o pobre o estado de exceção. Mas o embate entre o estado de direito e o estado de exceção está vivo na política e não podemos deixar os fascistas crescerem. É preciso estar atento e forte, vamos à luta sem descansar, ocupando todos os espaços abertos de democracia nas ruas e nas redes sociais!

O cocô do Bolsonaro e o seu herói assassino e torturador

Posted by André Barros on Tuesday, August 13, 2019

André Barros é advogado da Marcha da Maconha, mestre em ciências penais, vice-presidente da Comissão de Direitos Sociais e Interlocução Sócio Popular e membro do Instituto dos Advogados Brasileiros.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Mônica Horta

Moda democrática e o novo mundo

Estudantes NINJA

O Brasil está em chamas e a rua te chama

Benedita da Silva

Benedita da Silva: Bolsonaro imita Nero

André Barros

Não se combate o tráfico na favela

NINJA

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

NINJA

O escândalo das eleições gerais em Trinidad & Tobago

NINJA

“Precisamos ter voz para acabar com essa onda da extrema direita”, alerta Teresa Cristina

NINJA

Feminismo nas igrejas: "não queremos tomar o poder dos homens, mas destituí-lo"

Liana Cirne Lins

Brasil abaixo de fezes, cocô por cima de todos

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

NINJA

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

NINJA

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império