Foto: Daniel Marenco

Um país está batendo continência pra milícia. O mundo inteiro já sabe que o ex-juiz Sérgio Moro tramou com seus acusadores a condenação de Lula, a fim de prendê-lo, tirar o ex-presidente da disputa eleitoral e eleger Bolsonaro. Num primeiro momento, a elite brasileira havia pensado que elegeria o PSDB. Entretanto, quando viu que para tirar o Lula e seus sucessores do poder era necessário apoiar o chefe da milícia, não vacilou nem por um instante.

Não sei se a elite brasileira imaginava que Bolsonaro era na verdade “capitão” da milícia. Porém, diante de todas as evidências, a responsabilidade histórica por tudo que vem acontecendo é da elite de milionários e bilionários que dominam o Brasil. Ela que não venha depois dizer que não sabia de toda a sujeira, hipocrisia e gravíssimas violações dos Direitos Humanos desse governo, pois será a grande responsável pela tragédia que passamos hoje no Brasil e por todo o retrocesso que herdaremos.

Depois do vazamento das mensagens pela internet e dos áudios que ainda virão, ninguém com alguma consciência pode alegar que tudo isso era “normal”. Primeiro, Sérgio Moro e Bolsonaro se esconderam e preferiram o silêncio sobre os vazamentos do The Intercept Brasil. Depois, pensando que somos otários, confirmaram as tratativas do caso e tentaram dizer que essa troca de mensagens acerca das peculiaridades e especificidades do processo entre o juiz e o Ministério Público é “normal”.

Depois do fracasso das duas teses defensivas, surgem com a única defesa possível, excluindo-se a confissão e a delação premiada: a alteração das mensagens. Negam o que já tinham confirmado antes! As mensagens são provas diretas de associação criminosa para condenar um ex-presidente da República e tirá-lo da disputa eleitoral. E, pior, de forma totalmente irresponsável, colocando na Presidência da República um verdadeiro bedel, que beija a bandeira dos Estados Unidos da América e bajula o Trump, envergonhando todo um país. Algo completamente desconexo, como se ainda vivêssemos na época da Guerra Fria, numa atitude de sabujismo totalmente descontextualizada em relação ao atual poder das transnacionais.

O julgamento do Lula foi uma total decepção. O STF não vai entrar nem no rodapé da História. Apesar da certeza das provas diretas apresentadas, no mínimo, por evidente dúvida, o Supremo deveria ter colocado Lula em liberdade. Ao menos, até ser totalmente esclarecido a evidente suspeição de Sérgio Moro, ex-juiz do caso e atual Ministro da Justiça e de Segurança Pública do governo Bolsonaro, e a nulidade de todo o processo.

Havia uma esperança de que o STF fosse forte, que não tremeria diante de um governo de milícia. Até o fraquíssimo Congresso Nacional, repleto de parlamentares eleitos na “onda Bolsonaro”, já demonstrou algum descontentamento com o atual governo. Mas a luta continua e muitos áudios ainda estão por vir. Por conta da pressão nacional, do escândalo internacional decorrente da prisão de Lula e da série de trapalhadas desse desgoverno, esse julgamento será marcado. O Supremo terá ainda mais uma chance.
A garantia de que todas as pessoas têm de ser julgadas por um juiz imparcial é universal, está na Declaração Universal dos Direitos Humanos. A liberdade de Lula neste momento é muito importante para a democracia no Brasil.

Confira o programa Fumaça do Bom Direito, de André Barros.

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Renata Mielli

Que manchete um jornalista daria para essa notícia?

Manuela d'Ávila

Joice, eu sou sinceramente solidária a você porque sei o que você está vivendo

Mônica Horta

Moda contemporânea e seus múltiplos caminhos

Dríade Aguiar

Liberdade para todas as pretas

Juan Manuel P. Domínguez

“Não é apenas a religião que nos manipula”. Entrevista com a filósofa Viviane Mosé.

Jean Wyllys

Carta a Dilma: Eu cuspi na cara dele por você, Dilma. Por nós.

André Barros

O fim do Bolsonaro

Renata Mielli

Já dizia minha mãe sobre desculpas, não dá pra atirar e pedir desculpa pro morto

Tainá de Paula

A milícia é a primeira prefeita da cidade do Rio de Janeiro

Daniel Zen

O equívoco liberal chileno

Daniel Zen

O equívoco liberal chileno

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

Eduardo Sá

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado