Foto: Alan Santos / PR

Bolsonaro gastou vinte minutos de seu discurso na ONU argumentando contra os povos indígenas do Brasil e da América Latina. Atacou a legislação brasileira e nossa Constituição (um presidente não deveria ser o primeiro a defendê-la?) e colocou em questão terras já demarcadas e amplamente consolidadas como a dos Yanomami.

Bolsonaro pregou hoje na ONU a conhecida ideologia do “integracionismo”, ou seja, em nome do “desenvolvimento econômico” retirar o direito à diferença, impor a uniformização econômica e cultural de cima para baixo para  grupos minoritários, o projeto “branqueamento” cultural dos indígenas. O Brasil tem hoje mais de 250 povos indígenas que tem culturas vivas e distintas. Culturas que nos enriquecem, e que dependem das terras demarcadas para seguirem existindo. Mas o presidente considera as terras indígenas são “grandes”. Isso deve acabar em nome, claro, do que Bolsonaro entende por “progresso”.

Ele enxerga os indígenas com ótica próxima aos antigos colonizadores – que só tinham o Brasil como terra de extração de riquezas minerais para a Metrópole: os índios eram “silvícolas” a espera de trabalho e integração com a “civilização”.

O presidente de um país da importância do Brasil falar isso perante líderes de todo o planeta, em pleno século XXI… é algo maior que um vexame. Arranha a imagem do Brasil no mundo e tem óbvias consequências na luta dos povos indígenas pela sobrevivência física a cultural.

Em nossas duas ditaduras nativas, a integração forçada foi sempre uma justificativa para a legalização do modelo extrativista de mineral e de gado. E forma de promover a derrubada da floresta. Os indígenas, muitos antes dos ambientalistas, sempre foram os maiores defensores e conhecedores da floresta.

O curioso é que o presidente usa a tribuna da ONU para exaltar Sergio Moro (que enfraqueceu a Funai ao retira-la do Ministério da Justiça) para depois “denunciar” que indígenas e “socialistas” estão roubando a Amazônia, quando todo mundo sabe que o governo não está nem aí pra soberania, e sim preocupado com o dinheiro fácil do garimpo.

Vale lembrar que os indígenas tem papel fundamental e conhecido na preservação de nossas fronteiras – em muitos casos em diálogo próximo com os militares… essa conversa fiada de soberania é uma bobagem.

Por fim o presidente atacou Raoni, uma das mais reconhecidas lideranças do mundo. E fez vista grossa aos recentes assassinatos de indigenistas e as invasões ilegais que só crescem sob o incentivo simbólico do discurso presidencial – que promove desde 1 de janeiro, o desrespeito à legislação e às terras legalmente demarcadas no Brasil.

Viva Raoni, nosso candidato a prêmio Nobel! Ele representa o Brasil no mundo com muito mais conhecimento e generosidade por nossa cultura e soberania!

Conheça outros colunistas e suas opiniões!

Juan Manuel P. Domínguez

“Não é apenas a religião que nos manipula”. Entrevista com a filósofa Viviane Mosé.

Daniel Zen

12 perguntas - sobre verdades inconvenientes - ao ministro e ex-juiz federal Sérgio Moro

Gabriel RG

Mitocracia: o cinismo como método de controle

Daniel Zen

Jair Bolsonaro e Gladson Cameli: o tiozão do churrasco e seu sobrinho dileto

Felipe Milanez

Assassinato de indigenista da Funai na Amazônia precisa de investigação federal

Daniel Zen

O que há em comum entre a Lava-jato e as milícias digitais de Bolsonaro

Eduardo Sá

Gabrielzinho do Irajá: talento da nova geração do samba no partido alto

Daniel Zen

Os 340 [que não são] de Esparta

NINJA

Projeto de lei torna o licenciamento ambiental exceção em vez de regra

Eduardo Sá

Toninho Geraes: “Sou a favor do grito de liberdade contra essa tirania que assola o país”

Estudantes NINJA

Um (quase) final de ano de tantos retrocessos

Eduardo Sá

“Não colem em mim esse discurso da meritocracia”, diz Conceição Evaristo

Preta Rara

A senzala moderna é o quartinho da empregada

NINJA

A criminalização do aborto e o feminicídio de Estado

Eduardo Sá

“O samba é a coisa mais importante na cultura brasileira”, ressalta Zé Luiz do Império